As dores que Tiger Woods vem sofrendo em campo e que o obrigaram a abandonar a volta final do Honda Classic após 13 buracos; o levaram a jogar 78 tacadas, sem um birdie sequer, e despencar no placar final do Cadillac Championship; e o fizeram abandonar o Arnold Palmer Invitational, na semana passada, estão sendo provocadas pela degeneração de um disco intervertebral que comprime as raízes nervosas que emergem da coluna. A informação dada em primeira mão pelo colunista Jeff Rude, da revista Golf Week, foi obtida por ele de “pessoa com conhecimento da condição do jogador”.


As dores que Tiger Woods vem sofrendo em campo e que o obrigaram a abandonar a volta final do Honda Classic após 13 buracos; o levaram a jogar 78 tacadas, sem um birdie sequer, e despencar no placar final do Cadillac Championship; e o fizeram abandonar o Arnold Palmer Invitational, na semana passada, estão sendo provocadas pela degeneração de um disco intervertebral que comprime as raízes nervosas que emergem da coluna. A informação dada em primeira mão pelo colunista Jeff Rude, da revista Golf Week, foi obtida por ele de “pessoa com conhecimento da condição do jogador”.

Idade: O primeiro ataque de dor lombar ocorre normalmente entre os 30 e 50 anos, e a dor nas costas se torna mais comum com o avançar da idade. Como as pessoas envelhecem, a perda de força dos ossos pela osteoporose pode levar a fraturas, e, ao mesmo tempo, diminuem a elasticidade e tônus muscular. Os discos intervertebrais começam a perder líquido e flexibilidade com a idade (degeneração discal), o que diminui sua capacidade de amortecer as vértebras. O risco de estenose espinhal também aumenta com a idade.


Estes pontos ao serem pressionados aliviam diversos problemas como dores e cabeça ou de tensão, estresse, cólica menstrual, alergias ou enjoo, por exemplo e a técnica deve ser feita pelo menos 1 vez por dia para que seja eficiente. Quando for realizar a estimulação de pontos de acupressão é recomendado que o faça em um local confortável, onde o corpo possa estar deitado e relaxado. 
Dor nas costas quando se respira: na maioria das vezes está relacionada com o pulmão, gerando a sensação de falta de ar. Respiração desregulada pode causar também as famosas cãibras e consequentemente a dor nas costas, como pontadas. Para aliviar as dores use compressas de água morna no local, mas caso persistirem procure um médico o mais rápido possível.

A Lombalgia mecânica persistente pode exigir estudos de imagem adicionais, inclusive tomografia computadorizada, discografia, e varredura óssea trifásica. A sensibilidade refere-se à capacidade do teste ou estudo de mostrar que um distúrbio está presente. Especificidade refere-se à capacidade do teste ou estudo para determinar um distúrbio específico. Quanto maior o número [0 a 1], mais sensível ou específico será o teste ou estudo.


Mais reconhecido como atividade física, o pilates foi desenvolvido para tratar dores na coluna. "Os movimentos executados de forma lenta aumentam o controle, protegendo e estabilizando a coluna e as articulações. Os exercícios podem ser praticados por pessoas de qualquer idade, com lesões pré-estabelecidas ou como forma de prevenir dores", explica Michel Salgado, fisioterapeuta e sócio-diretor da Metacorpus Studio Pilates.
O tratamento de primeira linha mais comum passa pelos analgésicos ou anti-inflamatórios para alívio de dor, aplicação de gelo ou calor na área dolorida e eventualmente fisioterapia. Ao contrário do que se pensa, o repouso absoluto não é recomendado. Os tratamentos adicionais dependem da doença que está a provocar a ciática. Os medicamentos, bem como a sua forma de administração devem ser SEMPRE prescritos por um médico, nunca devendo o doente automedicar-se. Como opção há a cirurgia, geralmente recomendada para casos que não obtiveram sucesso com tratamentos à base de medicamentos. A cirurgia, quando devidamente indicada, é extremamente eficaz e segura no tratamento da ciática, apresentando muito menores riscos que o uso continuado de medicamentos para alívio de dor. Atualmente, as técnicas minimamente invasivas tornaram a cirurgia à coluna extremamente eficaz e praticamente sem riscos, permitindo uma recuperação muito rápida.

Parece que a náusea é parte da vida, esteja você grávida, de ressaca, fazendo tratamento por quimioterapia, ou enjoado. Embora você possa ter ouvido falar de acupuntura, uma terapia com agulhas, a acupressão é uma terapia que simplesmente se baseia na massagem dos principais pontos de pressão para aliviar os sintomas. Ela é uma maneira rápida e barata de lidar com náuseas, sem efeitos colaterais nocivos, embora pesquisas ainda sejam necessárias para provar sua eficácia.[1]Aprenda os pontos de pressão, em seguida, use seus dedos ou uma pulseira para começar a sentir alívio!


6 – Indivíduos com encurtamento muscular generalizado terão muita dificuldade de realizar sozinhos alongamentos das grandes cadeias musculares e dificilmente conseguirão manter a coluna vertebral em posição de segurança. A solução é dar preferência para alongamentos segmentados ou sugerir terapias mais individuais como RPG Souchard, Pilates ou sessões particulares de alongamento assistido.
O artigo Could Hands be a New Treatment to Fibromyalgia? A Pilot Study (doi: 10.4172/2165-7025.1000394), de Juliana Silva Amaral Bruno, Daniel Marques Franco, Heloisa Ciol, Anderson Luis Zanchin, Vanderlei Salvador Bagnato e Antonio Eduardo de Aquino Junior, pode ser lido em www.omicsonline.org/open-access/could-hands-be-a-new-treatment-to-fibromyalgia-a-pilot-study-2165-7025-1000393.pdf.
Lin Tchie Yeng – Todos esses pacientes precisam ser avaliados individualmente. Entretanto, de maneira geral, os exercícios de relaxamento e alongamento são muito importantes, como é importante orientar a postura no trabalho, em repouso, nas atividades de lazer e o condicionamento físico para fortalecer o sistema cardiovascular. Carregar pesos costuma piorar a dor.
“O momento é dos tênis mais altos, bem macios, responsivos e leves. O desafio das marcas é fazer tênis com essas características. As empresas trabalham com densidades diferentes de espumas e já não veem com bons olhos o amortecimento aparente. O consumidor quer a espuma e pronto”, opina Eduardo Suzuki, o responsável pelo canal Tênis Certo no YouTube.
PH FISIOTERAPIA MULTIFUNCIONAL】 Você pode usar este conjunto de acupressão de várias maneiras. Sente-se para aliviar o músculo de suas nádegas. Deite-se para massagear suas costas e pescoço. Fique no tapete de unhas para estimular os pontos de acupuntura dos pés. Com o uso regular pode melhorar uma melhoria das queixas, como dores de cabeça, ombro, costas e articulações, tensão e distúrbios circulatórios ocorrem
Lin Tchie Yeng — Sabe-se que 70% a 80% das pessoas já sentiram, em algum momento, dor nas costas. Essas dores, no entanto, são benignas e costumam melhorar espontaneamente, sem tratamento. As dores da fibromialgia duram pelo menos três meses e, em geral, não apresentam resposta satisfatória aos tratamentos clássicos com analgésicos, anti-inflamatórios e fisioterapia. Por isso, quando a dor for crônica, é importante procurar um especialista para diagnóstico preciso e indicação de tratamento adequado.

ARTIGO ORIGINAL56 Rev Bras Reumatol 2010;50(1):56-66Recebido em 06/10/2009. Aprovado, após revisão, em 24/11/2009. Roberto Ezequiel Heymann e Eduardo dos Santos Paiva declaram ter recebido honorários da Lilly, Janssen-Cilag, Boehringer, Apsen e Pfizer para palestras e consultoria; Milton Helfenstein Junior recebeu honorários da Pfizer e Merck Sharp para palestras e consultoria; Daniel Feldman Pollak recebeu honorários da Lilly, Pfizer e Merck Sharp; José Eduardo Martinez recebeu honorários da Sanofi Aventis para palestras e da Pfizer para palestras e consultoria; José Roberto Provenza recebeu honorários dos laboratórios Roche, Bristol, Ache e Pfizer para participar de pesquisas clínicas com novos fármacos na PUC-Campinas; Marcelo Cruz Rezende declara ter recebido honorários da Lilly-Boehringer para a participação em simpósios e da Pfizer para ser palestrante e participar de simpósios; Valério Valim Cristo declara recebimento de honorários por apresentação, conferência ou palestra pela Roche, além de financiamento para a realização de pesquisa, organização de atividade de ensino ou comparecimento a simpósios pela Lilly, Genzyme, Schering-Plough. Os demais autores declararam não haver conflitos de interesse.1. Coordenador do Ambulatório de Fibromialgia da UNIFESP e assistente doutor da Disciplina de Reumatologia da UNIFESP2. Professor Assistente da Disciplina de Reumatologia, UFPR. Chefe do ambulatório de fibromialgia do HC-UFPR3. Assistente doutor da Disciplina de Reumatologia da UNIFESP4. Professor Adjunto da Disciplina de Reumatologia da UNIFESP e chefe do Setor de reumatismos de partes moles da UNIFESP5. Professor titular do Departamento de Medicina da PUC-SP, doutor em Reumatologia pela UNIFESP e diretor da Faculdade de Medicina da PUC-SP6. Professor titular de Reumatologia da PUC-Campinas e chefe do Serviço de Reumatologia do Hospital Universitário da PUC-Campinas7. Professora orientadora da pós-graduação da Faculdade de Ciências da Saúde da UnB e chefe do centro de ambulatórios do Hospital Universitário de Brasília8. Membro da Sociedade Brasileira de Reumatologia9. Mestre em Medicina pelo Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa de Belo Horizonte, coordenador do Programa de Residência Médica em Reumatologia e do Ambulatório de Fibromialgia da Santa Casa de Belo Horizonte10. Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia, biênio 2007-200811. Professora colaboradora da Faculdade de Medicina da USP, assistente doutora do Serviço de Reumatologia e responsável pelo ambulatório de Fibromialgia do Serviço de Reumatologia do HC-FMUSP12. Responsável pelo Setor de Reumatologia e Preceptor do programa de Residência em Clínica Médica da Santa Casa de Campo Grande. Ex-presidente da Sociedade de Reumatologia do Mato Grosso do Sul13. Professor assistente de Reumatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e mestre em Clínica Médica pela UFGRS14. Reumatologista com especialização em Medicina Esportiva do setor de reabilitação, procedimentos e coluna vertebral pela UNIFESP15. Ex-fellow da Universidade da Virgínia (EUA), mestre em Educação e Ciência e professora da UNISUL16. Professora adjunto do Departamento de Clínica Médica, chefe do ambulatório de fibromialgia e chefe do serviço de Reumatologia do Hospital Universi-tário da Universidade Federal do Espírito Santo17. Doutora em Reumatologia pela UNIFESP, membro da Sociedade Brasileira de Reumatologia e da Sociedade Brasileira de Clínica Médica18. Membro da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor19. Presidente da Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, professora colaboradora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e doutora em Medicina pela FMUSP20. Membro da Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação21. Professor titular de Neurologia da Universidade Federal Fluminense (UFF), coordenador do Departamento de Dor da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e do Subcomitê de Dor da European Neurological Society (ENS). Membro da Peripheral Nerve Society22. Doutor em Ortopedia e Traumatologia pela Faculdade de Medicina da USP, médico Assistente do Grupo de Mão e professor colaborador da FMUSP23. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia24. Membro da Consultoria Axia.Bio farmacoeconomia e pesquisa em saúde25. Diretor executivo do Núcleo de Gestão de Pesquisas da UNIFESP, mestre em Ciências pela UNIFESP e sócio-pesquisador da Axia.BioEndereço para correspondência: Roberto Ezequiel Heymann. Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 2466, conj 93-94. São Paulo - SP - CEP 01402-000Consenso brasileiro do tratamento da bromialgiaRoberto Ezequiel Heymann1, Eduardo dos Santos Paiva2, Milton Helfenstein Junior3, Daniel Feldman Pollak4, José Eduardo Martinez5, José Roberto Provenza6, Ana Patrícia Paula6, Antonio Carlos Althoff8, Eduardo José do R. e Souza9, Fernando Neubarth10, Lais Verderame Lage11, Marcelo Cruz Rezende12, Marcos Renato de Assis8, Maria Lucia Lemos Lopes13, Fabio Jennings14, Rejane Leal C. da Costa Araújo15, Valéria Valim Cristo16, Evelin Diana Goldenberg Costa17, Helena Hideko S. Kaziyama18, Lin Tchia Yeng18, Marta Iamamura19, Thais Rodrigues Pato Saron20, Osvaldo J. M. Nascimento21, Luiz Koiti Kimura22, Vilnei Mattioli Leite23, Juliano Oliveira24, Gabriela Tannus Branco de Araújo24, Marcelo Cunio Machado Fonseca25


Historically, labor and childbirth are conducted in the home environment with the help of another woman, usually a midwife, bolstered by beliefs and empirical skills. The process of hospitalization for childbirth in the twentieth century was instrumental to the appropriation of knowledge in this area and for the development of medical knowledge, culminating in the establishment of the medicalization of the female body 17 and the dependency of women on others during childbirth.
Noninduction or augmentation of labor using cervical preparation with a balloon catheter or pharmaceutical agents (prostaglandin or oxytocin) was different between the groups. In general, the pregnant women included in this outcome who did not receive these interventions were: 23.7% in SP6G, 15.2% in TG, and 50.0% in CG (p = 0.0065 using the Chi-square test). However, the differences were not significant when the balloon catheter and prostaglandin were used in isolation, and were borderline when compared with oxytocin (Table 2).

A ausência de Adriano nos treinos do fim de semana atrasou o início dos trabalhos do jogador com o grupo do Flamengo. Na manhã desta terça-feira, o camisa 10 apresentou-se no Ninho do Urubu para retomar as atividades após as faltas no sábado e no domingo, mas ficou longe do gramado. Pouco depois de chegar ao CT, o Imperador vestiu uniforme, sentou no carrinho de golfe para ir ao campo 5, mas desistiu. Ele sentiu dores nas costas e depois foi para a academia. Segundo o médico José Luiz Runco, a ausência do jogador no gramado nada tem a ver com o incômodo. A questão é que o Imperador terá de compensar os exercícios perdidos.
A ciência do esporte avança a grandes passos e já não se limita mais aos atletas de elite, mas oferece benefícios também aos esportistas que, mesmo sendo amadores, decidem desafiar-se, melhorar sua performance e sentir-se melhor no dia a dia. Um claro exemplo é o teste de suor que o Instituto de Ciência do Esporte da Gatorade (GSSI, na sigla em inglês), em parceria com a Care Club, realiza duas vezes por mês na unidade Ibirapuera, em São Paulo.
×